Feliz era uma vez, meu amor.

sábado, 18 de fevereiro de 2012

É bom ver que sobrevivi, me recuperei e hoje posso secar ao menos as lágrimas, que agora não mais são de desespero, mas de lembranças calmas.
Você pode ter outro amor e estar com ele agora, ter outro alguém em quem pensar, confesso que eu não tenho. E minha memória traíra, não me deixa esquecer de tudo e de toda nossa cumplicidade, e quando me recordo de toda riqueza, de todas as promessas, de todo calor, vejo que é muito para ser esquecido tão facilmente.
Talvez você esteja perdido em si, tentando manter uma fortaleza difícil de ser sustentada, e toda noite ao fechar seus olhos, lembre-se de mim. Ou ao menos quando penso em você, pois sei que ainda ouve minha mente te chamando.
Eu nunca, em toda minha vida, imaginei poder viver isso. Ah, eu juro, é verdade! Eu realmente provei minha insanidade, coragem e fidelidade para comigo mesma. Não sei se alcancei compreensão, mas eu conheço minhas verdades.
Você me surpreende (e não sei por que ainda o faz), toda vez em que fala comigo com tamanha frieza. Parecemos dois desconhecidos, ou pessoas distantes, mas ao mesmo tempo, existe conexão. Porque em minha cabeça se passa um filme onde somos protagonistas e nos amamos com tanto vigor que causamos inveja em qualquer outro casal, onde ouço você me dizendo do seu amor tão grande, dizendo ainda que sei fazer em você um efeito jamais feito por outra. Por que sinto isso? Será que sou só eu?
Talvez eu não viva alguma história assim novamente, talvez eu admire minha força sozinha vendo a chuva cair na rua ou em meus olhos. Talvez eu sempre nos veja. Mas nós tentamos! E nosso erro foi a única causa de me fazer recuar. Simplesmente porque resolvi escolher a coisa certa, que você concordou. E embora minha curiosidade sobre saber como tem sido para você bata forte, preciso superar, pois perdi o direito de saber qualquer coisa relacionada a você.
Queria saber como é pra vocês dois, se ela é melhor que eu. Sei que não nos substituiremos, pois pessoas não são substituíveis. E talvez fosse bom ter alguém pra viver outra história, espero ter e espero que você também tenha. Mas que você nunca esqueça, quis muito viver nós dois. E você sabe que não éramos pra ser...
Eu sinto saudade todo dia.
Talvez você não tenha merecido mesmo, talvez tenha me traído, seu orgulho é o maior que já vi, mas quando éramos singular, eu via sinceridade.
Nunca fui dependente de você, você e eu nos fazíamos tão bem...
Eu sei que não posso exigir nada, que não devo e que é errado, mas será que você vai me surpreender? Você sabe, datas se aproximam... Você vai lembrar e me surpreender?
Enfim, minhas mãos estão atadas para nós. 

Um mês sem você.

1 comentários:

Thata B. disse...

Parece que eu consigo sentir tudo isso cada vez que leio...